D'propósito

3 de novembro de 2010

Menina Mulher

Texto de 17 de julho de 2007, quando eu ainda era virgem. E é exatamente para falar sobre virgindade que estarei amanhã,
no Happy Hour, do GNT, às 19h!



A cara de criança não me esconde, talvez sejam os óculos, ou os meus 1.58 de altura, ou ainda minha voz irritante de guria. Jeitinho de menina com idéias de mulher, é assim que algumas pessoas me vêem e classificam, às vezes, eu também me acho assim. Ah, mas eu cansei disso, quero ser mais ou só mulher, chega de meninice. Já até repiquei meus cabelos e vou trabalhar de salto (não todos os dias, mas quando dá coragem, porque eu amo meu all star).

Os estranhos sempre me olham como a delicadinha, que bonitinha não é? Eu não sou delicadinha. Falo palavrão e arroto, só não peido no elevador porque isso é constranger o próximo, praticamente anti-ético.

Mas se tem uma coisa que sempre tive vontade de fazer, é escrever sobre sexo! Talvez tenha me faltado coragem e sabedoria para isso, porque pra falar de um dos atos mais praticados no mundo e de grande prazer na maioria deles, tem que conhecer, saber a fundo. E a fundo, fundo não conheço, não, sei bastante da teoria. Tudo aquilo que acontece com as amigas e a gente leva de ensinamento. Mas se isso valer alguma coisa, posso dizer que estou quase doutora em questões teóricas sobre fatos de amor e prazer. No entanto, na prática acho que ainda estou saindo do colegial. Sou aquela típica semi-virgem, sabe? Que pensa que sabe bastante coisa, mas na verdade não sabe quase nada.

Pra piorar, eu sou aquela que ainda acha quase todos os tamanhos de paus grande e ainda se pergunta como uma espessura de comprimento tão grande pode entrar numa circunferência tão fechada? Nem a matemática explica. Mas aí vem àquelas definições de dedos ou só a cabecinha. E desde quando pinto tem ombro, pra entrar só a cabecinha?

A questão é a seguinte: essa atividade no começo deve doer pra porra e põe porra nisso. Por exemplo, eu já falei pro meu namorado que vou ter que perder a dolorosa virgindade com um gordinho de pinto pequeno ou um japonês. Não dá, tem que começar por baixo, pelo pequenos, acho o dele muito grande e pra abrir a porteira tem que começar pelos gados menores ou pôneis, afinal a fazenda da tia-tia Camila é pequena.

Brincadeiras à parte, ou parte das brincadeiras do sexo, eu me questiono: é normal alguém perguntar se pode gozar? Minha amiga, qual minha ética não permite dizer o nome, viveu a seguinte situação: em meio a brincadeiras, o cara pergunta se pode gozar. E ela me pergunta se isso está certo ou é normal. Oras! Sei lá. Mas eu pensava que essas coisas não desse pra segurar. Meus gozos até hoje só foram de alegria, sem presença de sexo e nunca consegui evitar. Então eu não soube, mas imagino que ele foi educado em dizer isso, é como apertar a campainha antes de abrir a porta. Não é?

Teorias e práticas à parte, quero mesmo é um dia praticar o sexo tântrico, o silencioso, o proibido, o escondido, o escandaloso, o animal e o normal. Isso quando deixar de ser a semi-virgem, com cara de menina, voz de guria, óculos e idéias de mulher.

8 comentários:

Alê disse...

foi ótimo o programa! ótimo texto! Até me motivei a escrever também sobre o assunto.

Alline disse...

É né pelo menos vc cumpriu o que disse pro seu ex-namorado!

zueraa zueraa

XD

cecilia disse...

Oi Camila,há um tempo te vi no programa login,achei super bacana o que vc disse lá e também gostei daqui.
virgindade oh coisinha complicada rsrs'
Beijo

C. Dayan: disse...

Oi Ale!
Obrigada, que bom que gostou. Vou lá te fazer uma visita depois e ler o que escreveu.

Alline,
prefiro não comentar, rs

Oi Cecilia,
Bacana, fico feliz que tenha gostado. Volte por aqui sempre que quiser, portas e janelas estão sempre abertas.

Beijo, proceis.

Lego disse...

Poxa! Perdi!! Deve ter sido legal. Tem disponível na internet?

felépe disse...

ACHO QUE TÁ NA HORA DA SENHORITA PARAR DE SAIR PRA FICAR BEBENDO E NAMORANDO E COMEÇAR A VOLTAR A ATUALIZAR ISSO AQUI, NÃO ACHA??

Gabriella P. disse...

Haha
Adorei o post.

"..como uma espessura de comprimento tão grande pode entrar numa circunferência tão fechada?"

Acho que todas as mulheres, já se perguntaram isso.

Gabrielle disse...

Esse texto é genial...rs