D'propósito

28 de junho de 2009

Black or White



Quando era pequena me intrigava saber por que minha avó era preta e eu era branca. Isso se minha cor-amarelo-miojo pode ser considerada branca. Naturalmente descobri depois que a nossa raça era uma questão de gêneses. Mas o que me deixou mais intrigada ainda foi lá pelos cinco anos, quando descobri que o Michael Jackson não era um branco-café-com-leite como eu o conheci, e sim preto! Eu sabia que a minha diferença para minha avó era de gênese e o dele nunca consegui saber qual foi o tratamento ao certo que clareava a pele daquele moreno cheio de gingado negro. Minha mãe dizia que era o vitiligo, doença que despigmenta e clareia a pele com manchas. Mas eu nunca vi vitiligo que manchasse por inteiro, como aconteceu com Michael.

Meu pai,na época, um colecionador de LP’s e fã do rei do pop, tinha alguns discos do astro que marcou minha infância e a do meu irmão branco, mas que sempre apelidado de negão, pelo nariz e boca grande. Ou seja, a mistura do preto e o branco estiveram presentes na minha infância, com a minha avó, o Michael e meu irmão. Três figuras que passaram tardes inteiras comigo.
Enquanto Michael Jackson rodava na vitrola, meu irmão e eu brincávamos de imitar a figura mais polêmica do pop, com o passo Moon Walk, aquela em ele desliza os pés no chão e anda para trás. Sem falar nos gritinhos “au!”, “Ooh” (não sou muito boa para onomatopéias) e claro, aquela pegada na região intima, que nele fica até sexy. A música Black or White marcou boa parte da minha infância e a convivência com o meu pai.

Quinta, no final da tarde, quando começou a se falar no falecimento de Michael Jackson na redação da TV Cultura, eu achei que era piada, até ver na CNN. Ele era o tipo de figura que parecia imortal. Na hora, eu não fiquei chocada com a morte dele, a ficha começou a cair agora, dias depois com todos esses especiais que estão passando na TV.

Ainda que todo o clareiamento da pele tenha sido só pelo vitiligo, ou ainda que ele tenha insistido pela mudança de cor e raça, o sangue e o gingado preto corria na sua veia, e não há vitiligo, cirurgia plástica ou remédio que tire o suing de um preto. Há pouco mais de um mês entrevistando Patrícia Palumbo ela disse que, “ninguém faz música como os pretos” e eu concordo.

Em todo lugar já foi escrito, falado e comprovado que o popstar mudou a forma de se fazer videoclipe, de se fazer à música pop. Na canção que dá título a este post, Michael Jackson cantou que ‘não importa se você é preto ou branco’ e dentro do artista que ele foi, com o legado que deixou para música pop e deixando as extravagâncias e escândalos pessoais de lado, não importa se Michael foi preto ou branco, ele fez a sua história como artista e tem para sempre o posto de rei do pop.


4 comentários:

Fábio disse...

Bom, ele é sim um imortal, assim como tantos outros artistas que mesmo depois de mortos continuaram cativando novos e velhos fãs, sejam novos e velhos pela idade que possuem ou pelo tempo que são fãs.
Não é necessário pensar muito pra lembrar de algum artista imortal e meia dúzia de músicas "chicletentas" que sabemos a letra de cor mesmo sem ter um disco em casa, com o michael jackson não é muito diferente.
Bom, os imortais também não agradam a todos, ainda vai ter muita gente que vai odiar o trabalho deles eternamente, questão de gosto.
Concordo plenamente com "só preto sabe fazer música boa". Sim, pode vir um branquelo azedo depois e fazer melhor, mas ele não criou nada, apenas se baseou no que o sujeito de pele com muita melanina fez.
Acho que basicamente todos os tipos de música que eu gosto tem uma raiz negra, com algumas exceções como a música barroca, que , não por pura coincidencia, nao possuem muito "gingado". ^^
Mas vamos lá, samba, blues, jazz, funk (não confundir com funk carioca, por favor), rock (afinal, os primeiros "roqueiros" eram simplesmente bluseiros mais "esquentados")... nao sou muito fã de bossa nova, mas é uma fusão de dois ritmos de negão, o samba brasileiro e o jazz norte americano.
É, eu como músico frustrado, quem sabe pintando a pele não consigo fazer algo na área.

Tiago disse...

Aos 5 anos, Michael já era cobrado pelo seu pai, não teve uma infância considerada como normal, não ia ao zoológico, não convivia com outras crianças. Fez de si uma criança excepcional, explorou seu talento para, talvez, mostrar ao seu pai, seus irmãos, ao mundo do que era capaz. Conseguiu. Tentou recuperar a infância perdida, construiu parques dentro de sua casa, mas lhe faltou o convívio com as pessoas. A mídia o explorava de tal maneira, que nós, pobres espectadores acreditavamos que ele era um louco insano e cheio de extravagâncias, esquecendo de sua modernidade e genialidade daquilo que ele se propôs a fazer - obrigatoriedade - por que não?
Michael deixou muitas dúvidas no ar após sua morte, questionamentos que nunca saberemos, polêmicas que nunca foram esclarecidas, mas como, a d´propositada argumentou, o rei do pop viveu para deixar para nós o seu modo de ver a vida de uma perspectiva diferente.
Vamos Pensar Se Tudo Isso Vale a Pena...

alline. disse...

está pra nascer alguém mais sexy, brilhante, irreverente e incompreendido como Michael Jackson!

felipe disse...

ta vendo, não precisa de tantas palavras.