D'propósito

12 de novembro de 2009

Deixa rolar

Se há uma coisa que um garoto ou uma garota descobre ao crescer, é que a vida é uma série de riscos, praticamente uma relação de causa e efeito. Desde sempre. Quem não arrisca não petisca. Diz o ditado e a vida. Na escola as crianças correm sem medo de cair, mesmo sabendo que uma hora terão seus joelhos em atrito com o chão. Alguns joelhos sagram mais, outros menos. Em alguns ficam marcas, em outros só lembranças. No playground a criança se arrisca a descer do escorregador mesmo sem ter ninguém a esperando no fim da descida, e enquanto não cria prática pra chegar na superfície, ela se joga no chão. Mas não se importa, nem desiste. Criança arrisca pela diversão.

Adulto arrisca por tesão. Os que arriscam. Um cabra perspicaz é sempre um remanescente de sua infância, não permite que os medos parem uma ação. Isso se tratando da maior parte dos homens, porque ao contrário dos machos corajosos, mulheres fazem do seu maior mal o pensamento e a imaginação. Pensam demais, são pouco práticas, verdade, e apesar da incrível intuição parecem surdas a elas. Porque quando não estão perdendo namoricos e horas de sono pensando, estão imaginando, isso é, criando histórias que gostariam que acontecessem, mas ou menos como: “não foi bem assim que aconteceu, mas é assim que eu gosto de lembrar ou gostaria que acontecesse”.

Falo tudo isso principalmente no quesito relacionamentos, mulher se preocupa com várias coisas, mas entre todas, sempre terá homem no meio de alguma história - e bem, para as garotas que gostam de meninas, sempre terá mulher no meio do bochicho. (é difícil ser plural). Quando surge um paquera novo toda moça que trabalha minimamente sexto-sentido, intuição, lei da atração, astrologia e todo instrumento que ajude a ter esperança no relacionamento que se inicia sabe se dará certo ou não. Mulher sente isso, mas como escrevi anteriormente, parece inerte aos sentidos, e claro, acreditamos no que queremos e lá vai a mulher precipitada se enganar.

É incrível, mas toda moça, quase que inconscientemente, sempre projeta no homem o namorado, o marido, o pais dos filhos. Pemm! Não precisa ser sempre assim. Como diria meu editor e também meu menino, Rick, “homem é predador e mulher é coletora”. Homem, boa parte da vida está aí para aproveitar e experimentar as mulheres e suas vivências. E não é errado, é só um modo bem liberal de quem é prático e quer se divertir sem pensar no depois. Mulher, como quer acolher, vai colhendo casos, namorados, amigos; quer fazer de tudo numa coisa só. Também não é errado, é só outra maneira de viver.

Às vezes com mania de pensar demais, falar e agir além, a garota perde um cara super bacana porque fica sofrendo por antecipação. Fica na dúvida se ele só quer comê-la, se gosta, se isso, se aquilo. Acaba por aí vivendo menos do que gostaria e imaginando mais.

Apesar de na escola aprender a cair e a levantar, a ler, a escrever, a respeitar os mais velhos, a comer de boca fechada, a diferença das cores e a mistura da aquarela, no colégio ninguém nos ensina a ser deixados. Somos treinados a deixar, e como na brincadeira, quem fica por último é a mulher do padre.

Eu sou mulher e faço, normalmente, tudo como uma boa mulherzinha. É assim, eu sei a receita, o modo de preparo, mas sempre acho que sei tudo de cabeça e erro num ingrediente ou outro. Mas o importante, acho eu, é errar e errar e errar e continuar fazendo, preparando, improvisando, uma hora o acerto vem. Afinal, pior do que errar é se negar a viver. Toda mulher precisa, no fundo, ser como os homens: uma eterna criança. Diverte-se, cai, chora e logo ta sorrindo de novo.

E como eu já ouvi algumas vezes, o truque ou a frase chave dita por eles é:

- Deixa rolar !

E boa parte de tudo isso vai para a leitora Carolina Serra, que escreveu perguntando o que fazer para não esperar demais das coisas. A resposta está na pergunta, ou em, simplesmente, não pensar, nem imaginar o que não existe.

;)

4 comentários:

alline. disse...

Bom saber que existem mais seres humanos errantes como eu!

Fe.ex.lline disse...

errantes sim. mas quando se fala em imaginar ninguém ganha de você.
viaja demais, e só pensa em casamento e filhos, cuidado homens!

Carolina Serra disse...

Desde que comecei a ler, sabia que era a minha resposta! O seu "em breve" é em breve mesmo! hasuhauhsuah
Amei o texto, de verdade!
Beijos

C. Dayan: disse...

É Carolina, tentei ser o mais breve, como tinha prometido.
Que bom que gostou, espero que tenha ajudado. E estamos aí :)

Sorrisos largos